Como mudar de profissão em tempos de incertezas?

Foto: Omar Freire/ Imprensa MG

Com certeza esse desejo já passou pela cabeça da maioria empregada atualmente. As pressões contantes no trabalho, os prazos apertados e metas impossíveis gera certa insatisfação e desejo de mudança. Mas como abandonar o ganho certo e mudar de profissão e carreira quando o mercado e a economia transmitem apenas crises e pessimismo?

As pessoas ao redor acham que você é afortunado porque possui um emprego formal enquanto tantos estão entregando currículos e de mãos vazias para novas entrevistas. Mas, apesar de fazer sentido, você não se sente assim. Não encontra propósito em suas funções, não tolera mais ter de resolver problemas que não são seus. Sente que é capaz de realizar algo maior, um desafio que ache apaixonante.

Pensando nessa situação que está muito presente em nossos dias elaboramos esse texto. Se quiser ver algumas reflexões (até mesmo dicas) sobre o assunto, continue a leitura a seguir.

Abandone o medo

Já parou para pensar quantas oportunidades você perdeu por ter receio de arriscar, de dar o primeiro passo? Tenho certeza que muitas.

Alguma dose de medo faz bem, pois nos mantêm vivos e alertas aos perigos. Já o excesso dele, o receio do julgamento ou de parecer tolo fecha diversas oportunidades que surgem e barram nosso crescimento.

Para deixá-lo um pouco de lado, experimente colocar uma dose de ousadia em qualquer momento do seu dia. Experimente puxar conversa com alguém desconhecido, exponha alguma ideia sua para um grupo ou até mesmo busque um novo trajeto para o seu caminho diário.

Saiba aonde está pisando: analise os riscos

Mudar de profissão não deve ser algo parecido com um tiro no escuro. É preciso estudar a fundo quais são as suas possibilidades na nova carreira. Veja se você realmente possui a qualificação necessária. Estude mais e aprimore as suas habilidades se preciso for.

Se estiver empreendendo, procure também conhecer sua concorrência, analisar sua clientela e produzir o produto/serviço certo para o público certo. Não deixe de criar detalhadamente seu plano de negócios. Muitas empresas vão à falência por essa razão.

Capitalize-se

Agora se a sua maior insegurança é ficar sem recursos e passar por necessidades, ter uma reserva de segurança pode ser uma boa estratégia. Experimente guardar em torno de 6 a 10 vezes o valor do seu salário em uma aplicação de segurança. Alguns especialistas em finanças recomendam até 20 vezes o valor em economias para fazer essa transição.

Entenda essa “poupança” como mais um degrau que você subirá até o objetivo da independência profissional. Não deixe essa questão de lado, coloque em ordem suas dívidas e corte os gastos supérfluos. Assim você se sentirá mais seguro para fazer a mudança e se manter nela como um possível profissional liberal que não tem garantia de ganhos fixos.

Descubra o seu real propósito

Não adianta iniciar em determinado negócio somente porque seu amigo entrou e está empolgado. Ou embarcar na nova moda do momento (lembra das paletas mexicanas?) achando que faturará muito e, somente depois descobrir que tem um empreendedor a cada esquina que teve a mesma ideia.

Conheça a si mesmo e descubra o que realmente te motiva a viver. Qual atividade, além de trazer retorno financeiro, pode ser tão prazerosa a ponto de você nem perceber que está trabalhando? Não pense se ela dá dinheiro, pelo menos não neste primeiro momento.

Existem pessoas que fazem as coisas muito simples, como um artesanato, corte de cabelo ou doce caseiro. Mas executam suas tarefas de maneira tão dedicada que fazem de seus produtos algo único, capaz de conquistar muitos clientes. Até mesmo geraram até mesmo fila de espera. Creio que a diferença destes profissionais para os demais é que eles acharam um propósito e veem sentido naquilo que fazem. Os demais apenas desejam lucrar e pagar as contas.

Estas foram as nossas dicas e reflexões para ajudar te ajudar a mudar de profissão, ter um novo negócio ou até mesmo procurar um novo emprego na mesma área. Tudo depende de quem você realmente quer ser, não é mesmo? Esperamos que tenha gostado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *